10 coisas que aprendi sobre a corrupção quando fui candidata

10 coisas que aprendi sobre a corrupção quando fui candidata – novo livro da Míriam Moraes, Jornalista especializada em Política, com apresentação de Palmério Dória, conta sua experiência quando foi candidata a cargo eletivo, e abre os horizontes daqueles que nada conhecem sobre os bastidores das campanhas políticas no Brasil.

Sem que o povo entenda o que vê no noticiário, seremos sempre reféns da ignorância que move a maioria. Este livro derruba a farsa do caixa 2 atribuído a uns e encoberto de outros, mostra como funcionam as campanhas, como o eleitor pode identificar os verdadeiros corruptos, as barganhas entre eleitores aparentemente inocentes e candidatos oportunistas.

“Escrevi como falo, numa linguagem sem rodeios, disse tudo o que sempre tentei explicar em artigos fatiados com espaço insuficiente para expor o jogo e suas regras agora usadas contra alguns em detrimento de outros, num jogo de manipulação no qual só cai quem não refletiu sobre o que sempre viu ao seu redor, principalmente nos pleitos eleitorais.

Também vão aí dicas para abrandar as surpresas diante de situações corriqueiras enfrentadas por candidatos.
Tenho muito orgulho de ter na contracapa a apresentação do meu trabalho feita pelo grande jornalista Palmério Dória”. 

Clique na imagem para reservar seu exemplar

10 coisas que aprendi sobre a corrupção quando fui candidata
10 coisas que aprendi sobre a corrupção quando fui candidata

10 coisas que aprendi sobre a corrupção quando fui candidata

“10 coisas que aprendi sobre a corrupção quando fui candidata” é um livro único. A gente se põe logo de cara na pele de Miriam Moraes, que foi nocauteada em 15 dias de campanha, mas dela trouxe para este trabalho informações fundamentais.

Analisa com clareza a hipocrisia do caixa 2, emite comentários precisos sobre o comportamento da imprensa com os candidatos da Casa e fora da Casa; enumera com igual precisão o menu de candidatos e os tipos de assédio que sofrem logo de saída da indústria de marketing e a ligação destas com as bancadas federais, estaduais, municipais; recorre a personagens do blockbuster para aproximar o leitor das situações que descreve; mostra a trampolinagem que vigora nas mais insuspeitas entidades em sua busca por um lugar na política e desenvolve um bom manual da etiqueta do candidato na batalha das ruas, na casa de perfeitos estranhos e até na casa dos melhores amigos.

Dez capítulos depois, concluímos com ela que a Política não é lugar para amador.

Divertido, mas realista, esse livro desfaz boa parte do amadorismo de quem o lê. ‘

(Palmério Dória – Escritor e jornalista)

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: