TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro

TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro – como já era esperado, nenhuma surpresa quanto ao voto do desembargador Gebran, ele baseou-se apenas nas delações ou “colaborações” de denunciados e co-réus.

Provas materiais, nada, nenhuma! Dedicou-se, Gebran, a ler uma defesa de Moro, para iniciar seu voto, tratou todo tempo, em sua longa defesa de tese condenatória, a chancelar os depoimentos de delatores e “colaboradores”.

Antes, Cristiano Zanin já havia apresentado a defesa recursal, onde já elencava a anulação da condenação do ex-presidente Lula, dadas a absoluta falta de prova cabal, e desvio de despacho condenatório.

TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro
TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro

TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro

Ouça a brilhante fala de Cristiano Zanin em nosso canal no Youtube Inscreva-se Aqui e vacine-se contra o PIG!

Para o desembargador, parte dos R$ 16 milhões destinados pela OAS ao PT foram usados no pagamento do triplex para Lula e em benfeitorias feitas no apartamento.

Segundo o desembargador, há provas, “de modo seguro”, de que o apartamento triplex foi reservado desde o início para Lula e assim permaneceu após a OAS assumir o empreendimento. Citando vários depoimentos, ele disse que há provas de que as reformas foram feitas para o ex-presidente e que ele tinha conhecimento e as aprovou.

Gebran Neto aumentou a pena final de 12 anos e 1 mês de reclusão e 280 dias-multa para o ex-presidente. Antes, a pena havia sido estipulada pelo juiz Sérgio Moro em 9 anos e seis meses.

O desembargador determinou ainda que a execução da pena se dará após os recursos cabíveis no próprio TRF-4.

Essa é de doer: José Adelmário Pinheiro Filho (ex-executivo da construtora OAS conhecido como Léo Pinheiro) teve a pena mantida em 03 (três) anos, 06 (seis) meses e 20 (vinte) dias de reclusão, em regime inicial semiaberto, e 70 (setenta) dias-multa, à razão unitária de 05 (cinco) salários mínimos vigentes ao tempo do último fato criminoso.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: