TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro

TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro – como já era esperado, nenhuma surpresa quanto ao voto do desembargador Gebran, ele baseou-se apenas nas delações ou “colaborações” de denunciados e co-réus.

Provas materiais, nada, nenhuma! Dedicou-se, Gebran, a ler uma defesa de Moro, para iniciar seu voto, tratou todo tempo, em sua longa defesa de tese condenatória, a chancelar os depoimentos de delatores e “colaboradores”.

Antes, Cristiano Zanin já havia apresentado a defesa recursal, onde já elencava a anulação da condenação do ex-presidente Lula, dadas a absoluta falta de prova cabal, e desvio de despacho condenatório.

TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro
TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro

TRF 4 Gebran condena Lula e livra a cara do Léo Pinheiro

Ouça a brilhante fala de Cristiano Zanin em nosso canal no Youtube Inscreva-se Aqui e vacine-se contra o PIG!

Para o desembargador, parte dos R$ 16 milhões destinados pela OAS ao PT foram usados no pagamento do triplex para Lula e em benfeitorias feitas no apartamento.

Segundo o desembargador, há provas, “de modo seguro”, de que o apartamento triplex foi reservado desde o início para Lula e assim permaneceu após a OAS assumir o empreendimento. Citando vários depoimentos, ele disse que há provas de que as reformas foram feitas para o ex-presidente e que ele tinha conhecimento e as aprovou.

Gebran Neto aumentou a pena final de 12 anos e 1 mês de reclusão e 280 dias-multa para o ex-presidente. Antes, a pena havia sido estipulada pelo juiz Sérgio Moro em 9 anos e seis meses.

O desembargador determinou ainda que a execução da pena se dará após os recursos cabíveis no próprio TRF-4.

Essa é de doer: José Adelmário Pinheiro Filho (ex-executivo da construtora OAS conhecido como Léo Pinheiro) teve a pena mantida em 03 (três) anos, 06 (seis) meses e 20 (vinte) dias de reclusão, em regime inicial semiaberto, e 70 (setenta) dias-multa, à razão unitária de 05 (cinco) salários mínimos vigentes ao tempo do último fato criminoso.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: